• Renato Moog

Meddle

Atualizado: Mai 26


A turnê "Meddle Tour" ocorreu entre 15 de Outubro de 1971 e 20 de Novembro de 1971.

Está entre os álbuns favoritos de David Gilmour. Foi lançado após época intensa de experimentalismos, e apresentou elementos musicais e de estética nos quais o grupo passaria a alcançar notoriedade mundial nos anos 1970.

A palavra “meddle”, nome do álbum, vem do verbo “intrometer”. Apesar das pesquisas revelarem que o intuito foi de fazer um trocadilho com a palavra de mesmo som “meddal” (medalha), mostra-se bastante palusível a teoria da “interferência construtiva” que acontece pela reflexão de ondas sonoras, que muito tem a ver com a ilustração da capa do disco: um ouvido debaixo d’água coletando as ondas de som. Observe as “interferências sonoras” ocasionadas pelo vento (efeito que foi também utilizado em álbuns posteriores) que interliga as composições em cada faixa, começando com a música que abre o disco “One of these days”.

A capa foi produzida pela Hipgnosis, mas, dizem, Thorgerson não gostou do resultado, e sugeriu que a capa fosse originalmente um close-up do ânus de um macaco, mas os integrantes aprovaram a idéia da orelha, que teve de ser aceita. "Echoes - partes I e II", uma das mais emblemáticas da banda, começou a ser trabalhada por Richard Wright, e foi finalizada com a participação dos quatro integrantes, demonstrando que o grupo não só estava interessado em abraçar o rock progressivo de uma vez por todas, superando a fase de flerte, mas também adotando a forma coletiva de trabalho, que seria a tônica da banda nos três álbuns seguintes. A música é a terceira mais extensa da banda, atrás apenas das suítes "Atom Heart Mother" e "Shine on You Crazy Diamond". Se considerado o fato de não ser uma peça em forma de suíte, alcança o topo das músicas mais cumpridas da banda.

"Echoes" era tocada antes da versão final sob o nome de "The Return of the Son of Nothing", em apresentações ao vivo (pode ser ouvida em alguns bootlegs de concertos do começo de 1971). A letra tratava, originalmente, sobre um tema espacial, mas Waters decidiu transferir as letras para um ambiente submarino, possivelmente para evitar que outros considerassem Pink Floyd uma banda de rock espacial. Conta-se, por outro lado, que Stanley Kubrick teria chamado o Pink Floyd para fazer a trilha-sonora do filme "2001: Uma Odisséia no Espaço", e embora o plano não tenha sido efetivado, a banda compôs a música para o último capítulo do filme: "Jupiter and Beyond the Infinite".

A canção começa com o som de uma tecla aguda de piano, tocado por Wright (nota si), cujo som microfonado passa por uma caixa rotatória (leslie speaker). Os vocais são de Gilmour e de Wright. No interlúdio ouve-se um som sombrio, com uma espécie de "grito de baleia", conhecido como "Seagull" ou vulgarmente como "grito da mulher gorda", sendo tocado ao fundo. O "grito" é produzido invertendo-se os cabos do pedal de wah-wah da guitarra. Essa parte, mais experimental - que ocupa boa parte da canção - pode ser ouvida no episódio do seriado "Chaves" ("El Chavo del Ocho"), intitulado "O Caçador de Lagartixas".

Sempre achei muito parecidas as frases das escalas cromáticas de "Echoes", lançada em 1971, com as da música "O Fantamasma da Ópera" de Andrew Lloyd Webber, composta em meados da década de 1980. A semelhança é realmente incrível. Em entrevista publicada pela revista Veja, Waters afirmou que já foi processado por Webber por causa de declarações sobre esta semelhança.

Confira-se:

  • Veja - "Já foi dito que o tema principal de O Fantasma da Ópera, de Andrew Lloyd Webber, foi roubado de Echoes, canção do Pink Floyd. O senhor vê alguma semelhança entre as canções?"

"Com certeza. Aliás, fui processado por causa disso. Odeio a música de Andrew Lloyd Webber, nunca tive um disco dele em casa. Mas certa vez aluguei uma casa de veraneio e o antigo locatário havia deixado a trilha de O Fantasma da Ópera no local. Quando escutei, tomei um susto porque o tema principal é muito parecido – para não dizer outra coisa – com Echoes. Um dia, fiz a besteira de declarar isso a um jornal inglês e fui processado por Webber! Ele alegou ter-se "inspirado" num compositor erudito já falecido e não no Pink Floyd. Eu fiz uma retratação e nunca mais toquei nesse assunto. Até você perguntar (...)"

A música "One of These Days" é a que geralmente abre os shows da Echoes Pink Floyd São Paulo, e também abre o disco. É impactante, profunda, e forte. As duas linhas de contrabaixo, uma marcando os tempos em compasso 4/4, e a outra com delay ajustado de acordo com o pulsante andamento, servem de base perfeita para os ataques de hammond com a caixa rotatória ligada em vibrato (rotação rápida) antecedidos por pads em fade in, e a lap steel com efeito de overdrive costurando uma bela melodia sem excessos, além da bateria marcante. No interlúdio o contrabaixo pode ser ouvido com um efeito diferente, desta vez com um trêmulo e as notas "cortadas", com ruptura precoce no decay (ADSR), culminando com a voz gutural de Nick Mason em fúria: “One of these days I´m going to cut you into little pieces” ("Qualquer dia desses cortarei você em pedacinhos").

Detalhe desta canção é ouvir ao fundo um teclado que reproduz o tema da série Dr. Who.

A "Pillow of Winds" é uma canção acústica especialmente bela. É calma e, diferentemente das características da banda, a letra trata de amor. Gilmour compôs a música e Waters escreveu a letra. A música também apresenta slide guitar tocada por Gilmour, além do órgão de Wright. Interessante notar que a música começa e termina com o tom de Mi Maior, contando com uma parte obscura no meio (depois da parte "(...) and the candle dies") em mi menor. De acordo com Mason, o título da canção é baseado no jogo chinês "Mahjong", que a banda começou a jogar enquanto esteve em turnê.

"Fearless" apresenta um som acústico melancólico, que lembra as outras faixas do mesmo lado desse álbum. Roger Waters compôs a canção usando uma afinação em Sol Maior, que aprendeu com Syd Barrett. Waters toca a parte do violão na gravação de estúdio, apesar de normalmente tocar o baixo. Perto do começo e no final da faixa, existe uma gravação ao ar livre, de um coro de fãs do clube ingês de futebol FC Liverpool, cantando "You'll Never Walk Alone" (e com os gritos de "Everton") que se sobrepõe na música. Essa música de Rodgers e Hammerstein se tornou um hino do time de futebol Liverpool. Os fãs gritam repetidamente "Liverpool !" depois da conclusão da música, e o grito deles reverbera através do campo estéreo de uma maneira sombria, o que produz, de algum jeito, um efeito psicodélico naqueles que ouvem a faixa com fone de ouvido. Os sons, gravados durante um dérbi de 1970, serviram de homenagem de Mason e Wright aos Reds, para o qual torciam.

Não é segredo para ninguém o interesse e gosto de Waters, Gilmour, Mason e Wright por futebol, aliás, pode-se ver na capa da coletânea "A Nice Pair" (1973) uma fotografia do escrete pinkfloydiano.

Na ocasião da fotografia, tirada semanas antes, o Pink Floyd FC vencera um time amador do norte de Londres por 4 a 0. Roger Waters assumiu o gol, Richard Wright se alinhou na defesa e David Gilmour aparecia na meia direita. O craque da equipe, no entanto, era o baterista Nick Mason, incansável meio-campista descrito por sua raça. O resto do elenco era completado por outros membros do staff, como roadies e empresários, que aproveitavam para reforçar os laços de amizade com as peladas. “Durante as turnês, no estúdio ou em qualquer outra parte que estivéssemos, tínhamos sempre uma bola de futebol com a gente”, conta Roger Waters. Mais do que jogar, o Pink Floyd também acompanhava o futebol. Waters era torcedor do Arsenal, assim como David Gilmour. O baixista chegou a sugerir que a música Echoes, lançada em 1971, se chamasse ‘We Won the Double’, após os títulos dos Gunners no Campeonato Inglês e na Copa da Inglaterra. Além disso, as sessões de gravação de "Dark Side of the Moon" (1972) foram várias vezes interrompidas para que Waters, vizinho de Highbury, assistisse aos jogos do Arsenal. A frase "Think I’ll buy me a football team" não está na canção Money à toa, nem no filme "The Wall", na cena em que o professor repreende o personagem Pink na sala de aula.

E, nos últimos anos, até mesmo o futebol pareceu exaltar a banda. O Chelsea planejava construir seu novo estádio no atual terreno da "Battersea Power Station", a usina termelétrica que aparece na capa do álbum "Animals" (1977). Enquanto tocava e torcia, o Pink Floyd FC continuava disputando os seus jogos ao longo dos anos 1970, em peladas sem registros e de poucas fotos. Tanto jogavam que mudaram as cores do próprio uniforme no final da década, do azul e branco original para o alviverde listrado e também o preto, enquanto emplacavam "Wish You Were Here" (1975) e "The Wall" (1979). Curiosamente, nunca escolheram o vermelho e branco, comum nos corações dos quatro titulares no palco. Ao menos neste ponto, conseguiram separar as duas grandes paixões.

"Fearless" é praticamente conhecida como um hit underground do Pink Floyd, talvez porque não foi lançada como um single no Reino Unido ou tocada ao vivo pela banda. O título deriva de uma gíria de futebol para "legal", o que se tornou um cliché ao longo da turnê da banda.

A música "San Tropez", ao contrário das outras faixas, não foi escrita mediante trabalho conjunto. Waters escreveu-a e trouxe para o estúdio, apenas indicando como seria a participação dos demais músicos. É a única faixa na qual Gilmour não participa como compositor do álbum. Trata-se de uma visão idealizada de "San Tropez", localizada na Riveira Francesa, onde a banda esteve em agosto de 1970 durante turnê do álbum "Atom Heart Mother" (1970).

Gosto muito do clima da música, a qual, de fato, nos convida a visitar a localidade. A banda também tinha seus encantamentos por outros estilos de música, e, no caso, ouve-se cadenciado jazz com leve sotaque francês, e, ao final, Wright toca como se fosse as teclas de um piano bar.

"As I reach for the peach slide a rind down behind the sofa in San Tropez. breakin’ a stick with a brick on the sand. ridin’ a wave in the wake of an old sedan (…)”

Músicas que apareceram nos repertórios da turnê "Meddle Tour":

  • "Embryo"

  • "Fat Old Sun"

  • "Set the Controls for the Heart of the Sun"

  • "Atom Heart Mother"

  • "One of These Days"

  • "Careful with That Axe, Eugene"

  • "Cymbaline"

  • "Echoes"

  • "A Saucerful of Secrets" (occasional)

  • "Blues" (occasional)

Este álbum é forte, mas ao mesmo tempo doce.

0 visualização

RETORNAR AO BLOG

  • Preto Ícone Facebook
  • Preto Ícone Twitter
  • Preto Ícone YouTube
  • Preto Ícone Instagram
  • Preto Ícone Pinterest

©2014 Renato Moog™ | www.facebook.com/renatomoog | studioraindrops@gmail.com | Produção musical | Sintetizador | Órgão | Piano | Sampler | Sequencer | Midis |Produção de Vídeo | Música para Filmes e Televisão | Música para Marcas e Negócios | Música para Video Games e Desenhos Animados | Blog | Partituras | Raindrops studio™ 2013 |  ID analytcs  |