• Renato Moog

The Piper at the Gates of Dawn

Atualizado: Mai 26



É o primeiro álbum de estúdio.

O título do álbum foi retirado de um capítulo de um dos livros favorito de Syd Barrett, muito famoso, "O Vento nos Salgueiros", de Kenneth Grahame. Neste capítulo, um Rato e uma Toupeira têm experiência religiosa ao procurarem um animal perdido: "este é o local do meu sonho, onde eu ouvi a música" segredou o Rato, em transe. "Aqui é o meu local sagrado, se o pudermos encontrar em algum lado, é aqui". O flautista (em inglês: piper) é identificado com o Deus grego Pan. Conta-se que Grahame escreveu histórias para entreter o filho sem imaginar que, reunidas estas em volume e publicadas, tornariam-se um grande sucesso literário. Os personagens são animais que vivem no mesmo ambiente dos seres humanos. Eles têm os mesmos sonhos e frustrações das pessoas, os mesmos impulsos e valores; são, na verdade, representações de nossos comportamentos.

De fato, a atmosfera do disco, gravado no mítico estúdio Abbey Road, em Londres, é colorida, embora muito provavelmente sob a lente perceptiva de LSD, droga consumida à época por muitos músicos.

A idéia geral a respeito das drogas nas décadas de 1960 e 1970 era totalmente diferente dos dias atuais, responsável por grande celeuma social. Há trinta, quarenta anos, as drogas como o LSD eram vistas como forma de libertação, de se enxergar o que ninguém via, principalmente, na música. No seu livro de 1976, "LSD: O meu filho problemático", o químico suíço Albert Hofmann, disse que em 1943 descobriu fortuitamente os efeitos psicadélicos do LSD e se tornou a primeira cobaia humana de uma trip de ácido, e começa assim um dos capítulos: “Já ouvi e li inúmeras vezes que o LSD foi descoberto acidentalmente. Isso não é totalmente verdade. O LSD nasceu de um programa de investigação sistemático e o 'acidente’ só aconteceu muito mais tarde”. Entretanto, o LSD começou a ser utilizado para fins puramente recreativos. Entre as pessoas que o experimentaram e que divulgaram as suas experiências encontram-se celebridades como o escritor Aldous Huxley e o ator Cary Grant. A festa acabou em 1966, quando a imprensa começou a revelar casos de jovens que se atiravam pelas janelas, que se tornavam psicóticos, ou que olhavam para o Sol até ficarem cegos. Quando o LSD se tornou ilegal, Leary e outros gurus da geração psicadélica foram presos nos EUA, no meio de um violento debate social. O consumo de LSD continua hoje, embora com menor impacto.

Coincidências à parte, o psicodélico "Sgt. Pepper’s Lonely Heart Club Band" dos Beatles também foi gravado no mítico estúdio de Abbey Road, e no mesmo período. Sgt Pepper’s e Piper Gates se afiguram divisores de águas não só para as próprias bandas, mas para toda a comunidade do rock e música popular.

As músicas de "The Piper At The Gates Of Dawn" (1967) são cativantes, melódicas, construídas em sua grande maioria ora com base harmônica em tons maiores, como "The Gnome" e "Bike". Nesta época Wright utilizava o órgão italiano Farfisa modelo duo compact, que é bem notado em praticamente todo a obra, com cromatismos e dissonâncias, responsável por um som até certo ponto misterioso, mas sempre correto e inspirado. David Gilmour não era músico da banda ainda, razão pela qual as guitarras, tocadas por Syd Barrett, apresentam sonoridade diferente dos demais discos do Pink Floyd.

Se não bastasse a importância da obra inicial do grupo, também representa o único trabalho da banda liderado de forma integral por Syd Barret. O lunatismo deste não passa só pelos sons escutados no álbum, mas também devido ao fato de ser esquizofrênico, fato só descoberto muito tempo depois. Após a gravação deste álbum, o início do abuso de LSD por Syd acabou alavancando a esquizofrenia, que o faria deixar o grupo algum tempo depois.

A música "Lucifer Sam" pode ser enquadrada no estilo "surf music psicodélica", assim como "Interstellar Overdrive". "Take Up Thy Stethoscope And Walk" é rock puro, roots, bem retratando o espírito do final da década de 1960, inclusive pelo clima do órgão farfisa imprimido por Wright. Gosto muito das músicas "Matilda Mother", "Flaming", e "Chapter 24".

Sobre "Matilda Mother", interessante anotar que Syd citou versos do livro "Cautionary Tales for Children", escrito no final do século XIX por Hilaire Belloc, na qual uma série de crianças desobedientes, incluindo Matilda, recebem castigos: "Matilda: Who told Lies, and was Burned to Death". Na década de 1960, o livro era muito popular com o público jovem na Grã-Bretanha, e com Syd Barrett não era diferente, que amava contos infantis, e, assim, "Matinda Mother" foi inspirada pelas histórias de Jim, Henry, e Matilda, no livro, sobre uma mãe lendo contos de advertências para uma criança. Na canção, o primeiro verso era sobre Jim, o segundo verso sobre Henry, e o refrão sobre Matilda, com um coro de "Oh mãe, me conte mais," que era a criança pedindo à mãe para não interromper a leitura.

No entanto, Syd foi forçado a reescrever e voltar a gravar a faixa quando teve negada a permissão para usar os versos em sua letra. A versão baseada no livro de Belloc foi lançado posteriormente, em uma reedição do 40º aniversário de "The Piper at the Gates of Dawn" .

MATILDA

  • Who told Lies, and was Burned to Death

  • Matilda told such Dreadful Lies,

  • It made one Gasp and Stretch one's Eyes;

  • Her Aunt, who, from her Earliest Youth,

  • Had kept a Strict Regard for Truth,

  • Attempted to Believe Matilda:

  • The effort very nearly killed her,

  • And would have done so, had not She

  • Discovered this Infirmity.

  • For once, towards the Close of Day,

  • Matilda, growing tired of play,

  • And finding she was left alone,

  • Went tiptoe to the Telephone

  • And summoned the Immediate Aid

  • Of London's Noble Fire-Brigade.

  • Within an hour the Gallant Band

  • Were pouring in on every hand,

  • From Putney, Hackney Downs, and Bow.

  • With Courage high and Hearts a-glow,

  • They galloped, roaring through the Town,

  • "Matilda's House is Burning Down!"

  • Inspired by British Cheers and Loud

  • Proceeding from the Frenzied Crowd,

  • They ran their ladders through a score

  • Of windows on the Ball Room Floor;

  • And took Peculiar Pains to Souse

  • The Pictures up and down the House,

  • Until Matilda's Aunt succeeded

  • In showing them they were not needed;

  • And even then she had to pay

  • To get the Men to go away!

  • It happened that a few Weeks later

  • Her Aunt was off to the Theatre

  • To see that Interesting Play

  • The Second Mrs. Tanqueray.

  • She had refused to take her Niece

  • To hear this Entertaining Piece:

  • A Deprivation Just and Wise

  • To Punish her for Telling Lies.

  • That Night a Fire did break out—

  • You should have heard Matilda Shout!

  • You should have heard her Scream and Bawl,

  • And throw the window up and call

  • To People passing in the Street—

  • (The rapidly increasing Heat

  • Encouraging her to obtain

  • Their confidence)—but all in vain!

  • For every time she shouted "Fire!"

  • They only answered "Little Liar!"

  • And therefore when her Aunt returned,

  • Matilda, and the House, were Burned.

Este álbum é a personalização de Syd Barrett.

1 visualização

RETORNAR AO BLOG

  • Preto Ícone Facebook
  • Preto Ícone Twitter
  • Preto Ícone YouTube
  • Preto Ícone Instagram
  • Preto Ícone Pinterest

©2014 Renato Moog™ | www.facebook.com/renatomoog | studioraindrops@gmail.com | Produção musical | Sintetizador | Órgão | Piano | Sampler | Sequencer | Midis |Produção de Vídeo | Música para Filmes e Televisão | Música para Marcas e Negócios | Música para Video Games e Desenhos Animados | Blog | Partituras | Raindrops studio™ 2013 |  ID analytcs  |